Diverticulite aguda

Divertículos no intestino grosso aparecem, na sua grande maioria, no decorrer da vida, ou seja, são adquiridos, e vão se tornando mais frequentes a partir dos cinquenta anos de vida. Mas, porque ocorrem? As principais causas parecem estar relacionadas com o aumento na pressão dentro do intestino, como nos casos de intestino preso, e com a fraqueza na parede intestinal que vai acontecendo com a idade.

A parede do intestino grosso é formada basicamente por camadas e nos divertículos uma dessas camadas, a mais interna, que é a mucosa, se hernia pela parede, isto é, passa por pontos de fraqueza da parte muscular, e forma pequenas bolsas que protusem até a parte externa. A presença de divertículos não significa doença pois a maioria das pessoas que tem divertículos não tem nenhum sintoma ou doença.

Uma proporção variável de pessoas, porém, pode vir a apresentar complicações e dentre essas destaca-se a chamada diverticulite, que é a inflamação dos divertículos. Na diverticulite os principais sintomas são a dor, principalmente no lado inferior esquerdo do abdome, associado a febre e, às vezes, com dificuldade para evacuar ou eliminar gases. O quadro clínico pode ser leve, na maioria dos casos, até extremamente grave.

De todo modo é recomendado que alguém com dor abdominal e febre procure uma unidade de emergência ou pronto-socorro para avaliação e realização de exames que irão confirmar ou descartar essa possibilidade. Geralmente o médico assistente solicitará exames laboratoriais e também exames de imagem, na maioria das vezes uma tomografia computadorizada do abdome, para auxiliar no diagnóstico Confirmado esse diagnóstico, o médico irá classificar a gravidade do quadro e instituirá o tratamento adequado, na maioria das vezes com antibióticos e analgésicos e, por vezes, internação e hidratação venosa.

Alguns casos necessitarão de operação de urgência para se debelar o foco infeccioso e a retirada do segmento doente e aí o médico decidirá se terá que deixar uma colostomia, que é a colocação de uma bolsa para recolher as fezes, que será fechada posteriormente. A drenagem de pequenos abscessos perto dos cólons poderá ser feita tanto por operação, seja via aberta seja por laparoscopia, quanto por punção guiada por ultrassom ou tomografia computadorizada.

Depois de resolvida uma crise em que o paciente não necessitou operação para ressecção da parte do intestino com divertículos, o médico avaliará todo o intestino e juntos decidirão se essa ressecção será necessária. Atualmente o principal método de prevenção dessas complicações é se manter uma vida saudável, com dieta rica em fibras e líquidos, e se fazer a prevenção de outras doenças dos intestinos, especialmente o câncer colorretal.

É muito importante ser ressaltado que a presença de divertículos ou episódios de diverticulite não estão relacionados ou predispõe ao aparecimento do câncer.

 

Dr. Paulo Gonçalves de Oliveira 

PARTICIPE DO FÓRUM