Intestino Importa

Mês da Conscientização sobre o Câncer Colorretal


Sociedade Brasileira de Coloproctologia promove ações de esclarecimento

O câncer intestinal (que compreende o cólon e reto) é o segundo tipo de câncer mais frequente no nosso país, seguindo o da próstata nos homens e o da mama entre as mulheres. Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA), em 2020 serão contabilizados no Brasil 40.990 novos casos (sendo 20.520 em homens e 20.470 em mulheres), um aumento de mais de 12% em relação ao índice anterior. Em todo o mundo, a incidência da doença vem crescendo entre os adultos jovens. Com a pandemia da Covid-19, quando muitas pessoas deixaram de fazer exames preventivos e interromperam processos de diagnóstico, esse índice tende a aumentar, já que a demora na descoberta pode agravar a doença e dificultar o tratamento e a cura.

Para alertar a população sobre os hábitos que podem prevenir o câncer de intestino e a importância do diagnóstico precoce, a Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP) promove a Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino. Devido ao isolamento social, este ano as ações serão concentradas nas redes sociais (Facebook: www.facebook.com/portalcoloprocto e Instagram: www.instagram.com/portaldacoloproctologia) e no Portal da Coloproctologia (www.portaldacoloproctologia.com.br).

Estimativas preocupantes

Estudo conduzido por pesquisadores da University College London (https://www.bmj.com/content/369/bmj.m1735) e que está em fase de revisão (em breve será publicado no The British Medical Journal) corrobora que os índices de câncer em geral tendem a piorar pelo fato de muitas pessoas terem postergado exames e tratamentos por receio do contágio em unidades de saúde. Os pesquisadores britânicos analisaram dados semanais de oito hospitais (o correspondente a 3,8 milhões de pacientes) e chegaram à conclusão que houve redução de 76% nos encaminhamentos urgentes de pessoas com suspeita de câncer e queda de 60% nos agendamentos de quimioterapia em comparação ao período anterior à pandemia. A estimativa é que cerca de 30 mil pacientes com câncer recém-diagnosticado antes da pandemia morrerão em até um ano na Inglaterra.

Presidente da SBCP, Dr. Sidney Nadal alerta que o câncer de intestino é passível de prevenção e que a pandemia pode ter atrasado o início de tratamento em muitos casos e postergado o diagnóstico, o que pode agravar a doença. “A campanha vem para lembrar as pessoas que os exames preventivos não podem ser postergados. Converse com seu médico, mesmo que seja por uma consulta on-line. Com seu histórico ele poderá orientá-lo sobre a melhor conduta a tomar”, destaca.

Pólipos

O câncer colorretal é um tipo de tumor que pode ser prevenido. “Cerca de 90% dos casos de câncer colorretal têm origem a partir de um pólipo, que é uma alteração causada pelo crescimento anormal da mucosa do intestino grosso. Inicialmente são pequenos e benignos, mas podem crescer e se transformarem em malignos”, alerta Dr. Nadal.

O presidente da SBCP acrescenta que os pólipos podem ser identificados e removidos por meio da colonoscopia, exame de imagem realizado com um aparelho flexível introduzido no ânus até o intestino com o paciente anestesiado. A recomendação é que a primeira colonoscopia seja realizada aos 50 anos. Se houver histórico de tumor intestinal na família, o rastreamento deve ser iniciado antes, de acordo com recomendação do coloproctologista.

O exame de sangue oculto nas fezes é outra opção mais acessível à população e que pode detectar a presença de sangue não visível a olho nu. Caso seja encontrado sangue na amostra de fezes, o especialista pode recomendar a realização da colonoscopia.

Prevenção

Para prevenir o câncer colorretal alguns hábitos são recomendados:

– Praticar exercícios físicos regularmente;

– Manter o peso sob controle;

– Não fumar;

– Não consumir bebidas alcoólicas em excesso;

– Ter uma alimentação rica em verduras, frutas, legumes, farelos e cereais integrais;

– Beber cerca de 2 litros de água por dia;

– Evitar o consumo em excesso de carne vermelha e alimentos processados e embutidos como salsicha, linguiça, salame, presunto etc.

Sintomas

Sangue nas fezes é o principal sinal de alerta para o câncer colorretal, mas outros sintomas podem ocorrer, como alterações dos hábitos intestinais (diarreia ou prisão de ventre persistente), cólica, dor na região anal, fraqueza, anemia e emagrecimento. Ao notar qualquer um desses sintomas, a recomendação é buscar um coloproctologista para diagnóstico e tratamento adequado.

Além de ser esclarecida sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer colorretal, a população deve saber que os tratamentos estão cada vez mais modernos e efetivos. Quando os tumores são pequenos, podem ser retirados por colonoscopia ou por resseções locais. Já os maiores e em estados avançados contam com opções cirúrgicas diferenciadas, como a laparoscopia, robótica ou as cirurgias abertas, disponíveis no SUS. Há ainda outras opções auxiliares de tratamento, como a radioterapia e a quimioterapia.