Sangue oculto nas fezes

Definição

A pesquisa de sangue oculto é um exame laboratorial que tem como objetivo identificar a presença de sangue nas fezes. O exame é importante porque pode detectar frações tão pequenas de sangue, difíceis de visualizar, ajudando no diagnóstico precoce de pequenos pólipos – fase em que o paciente não apresenta sintomas. O teste é indicado para encontrar sangue, entretanto não determina nem a causa do problema nem o local do sangramento. Mesmo assim, é considerado um dos exames mais inócuos e úteis na detecção precoce de pólipos intestinais. Um resultado positivo não significa que o paciente está com câncer, mas que poderá ter que realizar outros exames como a colonoscopia, para visualizar o interior do intestino e verificar a possível presença de pólipos ou tumores.

Como o exame é realizado

Amostras de fezes são coletadas pelo paciente em coletores descartáveis. É um método simples, não invasivo e de baixo custo, o qual pode ser realizado por diversos métodos.

Alguns fatores podem alterar o resultado dos exames mais comuns. O sangramento de gengiva ou nasal, o período menstrual, a alimentação com carne e a utilização de alguns medicamentos como aspirina e vitamina C são os fatores que mais alteram o resultado.

Esta interferência não ocorre quando a pesquisa é realizada através do método imunológico (imunocromatográfico). O teste imunológico é um método de grande sensibilidade e detecta especificamente a presença de sangue humano. Por este motivo não requer a realização de dietas.

Outras informações importantes

A pesquisa de sangue oculto deve ser realizada em amostras fecais recentemente eliminadas. A análise de três amostras aumenta a sensibilidade do exame, já que alguns pólipos apresentam sangramento de vez em quando.

Quando o paciente realiza o exame com o método mais comum deverá seguir uma dieta rigorosa, recebendo do laboratório a recomendação por escrito, como exemplificado abaixo.

Exames “com dieta”

Os principais fatores que interferem são: alguns tipos de carne (principalmente a vermelha), nabos, rabanetes, vitaminas (particularmente a vitamina C), ferro, aspirina e outros anti-inflamatórios não-esteroidais, como o ibuprofeno, utilizado no tratamento da artrite reumatoide e outras doenças inflamatórias. Cremes dentais clorofilados podem alterar também o resultado. Os alimentos que prejudicam o exame devem ser evitados três a cinco dias antes da coleta das amostras. Podem ser consumidos em pequena quantidade: carne branca (peixe e frango), enlatados, pipoca, amendoim e farelos de cereais (trigo e aveia). Podem ser consumidos livremente: vegetais (crus ou cozidos) como alface, espinafre, milho e frutas como uvas, ameixas e maçãs.

Exame “sem dieta” ou imunocromatrográfico

Caso o procedimento seja realizado por este método não há necessidade da realização de dietas nem de restrição ao consumo de medicamentos e outros interferentes.

Importante

Nos casos em que o paciente é portador de diagnóstico de hemorroidas ou fissura anal e outras condições anorretais em tratamento, a pesquisa de sangue oculto perde o valor. Mulheres em período menstrual não devem colher amostra para o teste.

PARTICIPE DO FÓRUM